quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O Futuro das Empresas no Brasil

Futuro das empresas no Brasil.





Nos últimos 16 anos o Brasil foi cenário de diversas transformações. A economia interna se aqueceu e o mercado como um todo se fortaleceu. Este trabalho busca não só definir sobre o futuro das empresas no Brasil, mas também jogar luz nos principais temas, sem a qual ela (empresas), não atingirá sua plenitude.

Acredito que o desenvolvimento das empresas não virá se não alterarmos ainda mais os indicadores sociais. Com os constantes reajustes do salário mínimo a classe menos favorecida teve um reajuste real de 8% enquanto o rico teve um reajuste de apenas 1.5%, de acordo com os institutos de pesquisas. Para o leigo isto pode ser distorção, para os economistas e estudiosos do tema, é justamente a busca do equilíbrio na igualdade da distribuição de renda entre os afortunados e os desafortunados.

Esta grande Nação chamada Brasil possui fabulosas reservas de recursos minerais, água, petróleo, gás e outros. Recursos estes que são finitos e devem ser geridos de forma a garantir uma prosperidade duradoura e um futuro independente ao povo brasileiro.

No setor da educação, nunca tivemos tantos alunos matriculados. Do ensino básico à graduação, no entanto, o grupo de mão de obra qualificada ainda é pífio para os padrões de países emergentes - desenvolvidos. Patamar que almejamos e (devemos) alcançar um dia.

Projeções de órgãos oficiais e institutos privados, indica que o Brasil crescerá em torno de 5.5% a 7.0% em 2.010. Se de fato, isto se concretizar nosso país entrará no seleto clube das seis maiores economia do mundo. Embora hoje figuremos entre as oito maiores economia do mundo, temos um IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) baixíssimo, a miséria é cristalizada em plena capitais de diversas estados. Mas se serve de consolo, uma pesquisa feita no Fórum econômico mundial realizado em D`avos – Suíça, mostra que a boa impressão do Brasil é alta e generalizada. Tanto é, que os números de investimentos estrangeiros estão ao nosso favor. 45 bilhões de dólares em investimentos diretos deverão aportar em nosso país até dezembro de 2.010 segundo o Banco Central do Brasil. Banco este que possui em seus cofres 240 bilhões em reservas cambiais.

O setor imobiliário sofreu um boom de investimentos de 2009 para cá, haja vista o incentivo dado pelo governo federal com o Programa Minha Casa Minha Vida. Bancos já liberaram só esse ano para o ramo da construção algo em torno de 35 bilhões de reais para projetos já realizados ou ainda por ser realizar em 2.010. Se estendermos o prazo para 2.016, teremos então um investimento de 227 bilhões de reais no setor das construções.

Quando se trata do setor automobilístico os números é de proporções mundiais. Somos o 5º maior mercado do mundo no quesito aquisição de veículos. Evidente que de todas essas transações comerciais, o governo é um sócio oculto, que não trabalha, mas leva um terço de faturamento. Algo que não precisa ser nenhum estudioso do tema, para dizer que fica caro operar no Brasil.



Para muitos estamos numa era de ouro, para outros o Brasil pode mais. Acredito piamente de que o Brasil pode mais, (Quando entramos na zona de conforto estamos fadado ao insucesso).

A distribuição da riqueza e o investimento em educação deve figurar no topo deste projeto “Futuro das empresas”. Pois o trabalhador podendo proporcionar conforto à sua família, com certeza investirá em alfabetização, especialização e etc. tornando o país um celeiro de mão de obras prontas para o progresso da Nação.

Mercado para os empreendedores, empresários, investidores nacionais ou estrangeiros, não faltam. Áreas como construção e infraestrutura, tendo em vista o déficit habitacional, PPPs (Parcerias Públicas Privadas) para construção de metrôs, aeroportos, rodovias e copa do mundo, são bons exemplos.

O mercado financeiro é um dos mais bem regulado e seguro do mundo, o princípio da segurança jurídica é vigente, a economia é estável, nossas empresas deixaram de ser obsoletas como na década de 90, para se tornarem competidoras globais. Temos exemplos que vai desde: produtos como o aço, bancos, construtoras até a agro indústrias.

As empresas descobriram que assim como a educação é fonte de recursos para o “futuro das empresas” o meio ambiente não poderia ficar de fora deste eixo, uma vez que temos a maior bacia de água doce do planeta, mas um desperdício incomensurável e uma poluição de, dar dó. Hoje temos uma economia globalizada e cada uma brigando por 0,1 por cento do PIB, é que, as empresas com futuro, terão como missão em sua corrente sanguínea, a educação e o bem estar de seu povo e a sustentabilidade do planeta.



D.Ribeiro, é estudante de Direito e Palestrante de Cidadania
(11) 9591-7276





quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Vitória do povo brasileiro

Olá queridos amigos

Neste último domingo, caminhamos mais uma vez para consolidação de nossa democracia.
Escolhemos, ou melhor, o povo por maioria escolheu, a primeira Presidenta para governar esta grande nação.
Que Deus a ilumine para que cumpra seu mandato em benefício do povo.
Eu por minha vez, trabalhei como secretário de seção, contribuindo para esta grande festa da DEMOCRACIA BRASILEIRA.
Abraços e até breve.